DNA Consulting | 2017 | Todos os direitos reservados.

PARANÁ

Rua Padre Anchieta 2348, 8o, andar | Bigorrilho

CEP 80730-001

Curitiba, Paraná

Brasil

Tel. 41 3408-4409 e 41 99572-5088

SANTA CATARINA

Rua Dona Francisca, 364

CEP 89.202-182

Joinville, Santa Catarina

Brasil

December 19, 2018

August 12, 2018

December 11, 2016

November 18, 2016

November 8, 2016

Please reload

Recentes

Comunicação institucional no âmbito das corporações jurídicas

06.02.2019

1/3
Please reload

Em Destaque

Comunicação institucional no âmbito das corporações jurídicas

February 6, 2019

 

Segundo o dicionário, comunicar significa “transmitir; avisar; informar”. Comunicar é o ato de partilhar informações; torna-las comuns entre indivíduos. Essa partilha sempre corre com uma finalidade específica (consciente ou não).

Nos dias atuais, onde os meios de comunicação se tornaram cada vez mais abundantes e ágeis, a ciência / arte da comunicação tem tido importância fundamental tanto na vida do indivíduo quanto no dia a dia dos grupos e empresas.

No tocante específico à comunicação empresarial, estamos lidando com a partilha de ideias, informações e conceitos, dentro de focos bem delimitados – mormente, a missão, visão e valores da empresa.

E, no atual cenário econômico e competitivo, estando as empresas ultra pressionadas por resultados maiores, mais rápidos e mais eficientes, a comunicação empresarial vai absorvendo essa ansiedade por eficácia, sofrendo alterações em sua essência e causando distorções de entendimento.

 

Toda empresa tem uma noção da sua missão, da sua visão e dos seus valores. Mesmo que tais conceitos não estejam expressamente declarados, eles estão lá, intrínsecos em sua atuação, e presentes em seus produtos, colaboradores e na aparência pública geral.

As pessoas que se unem a uma empresa como colaboradoras, se sujeitam ao trabalho a ser praticado dentro do âmbito da tríade missão/ visão/ valores para a contrapartida da sua remuneração. De forma semelhante, as pessoas que se unem a uma empresa como clientes, também anseiam pela contrapartida dos valores pecuniários pagos espelhados na expectativa que criaram a partir da percepção desta tríade.

 

O “ruído” ocorre quando a comunicação efetiva (aquela decorrente da prática diária) não reflete tais valores, indo principalmente contra aspectos psíquicos importantes para o receptor ou para a sociedade a que ele pertence. Nesse norte, estamos nos referindo tanto ao conceito de moral e/ou bons costumes, quanto à expectativa de resultados efetivos (apenas alguns exemplos)

É exatamente desse ruído, desse desvirtuamento da forma e do conteúdo da mensagem a ser transmitida pela corporação, que surgem eventos possíveis de serem enquadrados como ilícitos no ambiente de trabalho (e inclusive, dentro outros, o chamado assédio moral) e os que podem gerar insatisfação por resultados entendidos no momento do pacto inicial (e inclusive, dentre outros, as resilições contratuais e seus efeitos).

 

Cabe aqui, um parêntese importante. Os diversos ramos da ciência que lidam com comunicação concordam que a responsabilidade pela sua efetividade está mais (para não dizer totalmente) com o emissor do que com o receptor. Vale dizer, é sua a obrigação de adaptar a linguagem e o canal utilizados para que a mensagem seja totalmente compreendida pelo seu interlocutor... Jamais o contrário! Ou seja, o representante da corporação, presente no ato do pacto com o colaborador/ cliente, tem que garantir que o mesmo compreendeu exatamente o que se quis transmitir naquele momento. E mais que isso: a prática efetiva futura da corporação tem que refletir e efetivar tais mensagens.

 

 Assim, ao lidar com seus pares, as corporações tem o desafio de comunicar exatamente o que são, independentemente do que desejam aparentar ser! Eventual dicotomia entre estes dois cenários (o que se é, e o que se diz ser) é, como antes dito, foco de grandes transtornos de relacionamentos pessoais, econômicos e (o que talvez seja pior) de demandas judiciais.

No âmbito das corporações jurídicas, esse desafio se torna ainda mais agudizado.

É que, tendo a maior parte dos advogados e juristas (mormente os mais antigos) uma formação de nicho, focada e setorizada na ciência do direito e suas aplicações diretas e práticas, em geral, há um esquecimento em como bem se comunicar com o mercado. E a linguagem do mercado é diametralmente diferente da linguagem dos tribunais... Ainda é frequente, por exemplo, vermos profissionais usarem em seus diálogos com clientes, brocardos latinos como se o mesmo tivesse condições de entender toda a acepção destes termos específicos... E o pior: na maior parte das vezes o interlocutor finge que entende, aumentando o distanciamento entre o que se disse e o que se entendeu!

 

 

Assim, o abismo comunicativo entre as corporações jurídicas e o mercado costuma a ser matéria prima para nascedouros de questões a serem dirimidas.

Preste bem atenção em quem você é. Quais são as suas aspirações? Quais são as suas competências e desafios? O que você efetivamente tem e quer ofertar ao mercado? Agora, faça o mesmo exercício de percepção da(s) sua(s) equipe(s) e pares... Enfim, trace o correto perfil da sua corporação jurídica antes de comunicar à sua clientela e ao público potencial quais as suas (reais) noções de missão, visão e valores próprios.

 

Também é importante que todos os envolvidos estejam alinhados dentro destes parâmetros: assim, além de garantir que a comunicação corporativa está homogênea entre os membros da corporação, você também garante que o tratamento com o mercado será igualitário durante todo histórico de relacionamento(s) comercial(is).

Por fim, destaque-se que as corporações estão sempre a sofrer influências endógenas (reflexo de seus integrantes) e exógenas (ambiente e tempo em que estão inseridas), o que importa dizer que estão sujeitas a mudanças. Em geral as mudanças exógenas não têm o condão de afetar a missão e os valores da corporação, mas podem eventualmente provocar necessidade de adaptação na visão da mesma. Já no tocante as mudanças endógenas, estas podem sim, afetar a tríade como um todo.

 

De uma forma ou de outra, mantendo-se as premissas importantes para os atores internos e externos que atuam nos cenários de foco, a mudança pode (e por vezes, deve) ocorrer para que a corporação se mantenha viva e atuante. Mas vale efetivar essa mudança de forma cuidadosa, parcimoniosa e com atenção aos anseios envolvidos.

A atenção com a comunicação institucional das corporações jurídicas é de fundamental importância para que as mesmas possam atuar de forma positiva para todos os que com elas se envolvem, e a atenção à mesma deve ser premente e frequente, evitando-se assim, que a mesma se afaste dos melhores talentos à sua disposição e, principalmente, do mercado e clientela realizada ou potencial.

 

Daniel Melim é Advogado, Coaching e Consultor na DNA Consulting.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon