DNA Consulting | 2017 | Todos os direitos reservados.

PARANÁ

Rua Padre Anchieta 2348, 8o, andar | Bigorrilho

CEP 80730-001

Curitiba, Paraná

Brasil

Tel. 41 3408-4409 e 41 99572-5088

SANTA CATARINA

Rua Dona Francisca, 364

CEP 89.202-182

Joinville, Santa Catarina

Brasil

December 19, 2018

August 12, 2018

December 11, 2016

November 18, 2016

November 8, 2016

Please reload

Recentes

Comunicação institucional no âmbito das corporações jurídicas

06.02.2019

1/3
Please reload

Em Destaque

A síndrome da prateleira vazia - Parte 2

 No artigo anterior falamos sobre a dificuldade do Advogado em comunicar suas especialidades e a falta absoluta de um marketing mais pragmático e técnico voltado a diferenciação e segmentação. Infelizmente o máximo de descrição que conseguimos obter do Advogado é sempre voltada a sua atuação e áreas do direito. Novamente uma linguagem não compreendida por quem compra. Falta “produto” ai.
Quando dizemos Produto Jurídico estamos nos referindo a  roupagem técnica que damos ao trabalho do Escritório. Um bom produto deve oferecer dados sobre o formato da prestação de serviços, forma de pagamento, sobre diferenciais e sobre a Equipe engajada no atendimento. É muito comum ver nas propostas de serviços advocatícios páginas e mais páginas com descrição de valores e muita verborragia quanto às exceções. Mas pouco espaço é destinado a descrição daquilo que será realizado, como será realizado e porquê será realizado.
Acredito que a estruturação de Produtos é essencial à venda do trabalho do advogado. Temos feito isso em diversos momentos, em escritórios pequenos e também nos grandes. A questão central é que o desenvolvimento de produtos exige um grau de desenvolvimento em marketing que muitos escritórios não possuem. Por isso a sensação de “prateleira vazia”. De que o cliente não encontrou o que procurava.
Será que estamos menosprezando o processo de compra do cliente e investindo pouco ou nenhum tempo ao desenvolvimento de um marketing de resultados?
Sócios e advogados precisam compreender como seu cliente compra. Que tipo de informações, credenciais e dados são necessários. Muitos passam anos sem falar com seus clientes ativos, quanto mais com os prospects. Existe uma distância desnecessária entre os Escritórios e o mercado e isso nada tem a ver com o código de ética. Não é vedado ao advogado conhecer mais sobre seus clientes e interagir com o mercado de forma profissional.
Existem escritórios que conseguiram ultrapassar essa barreira? Abaixo alguns exemplos de Produtos Jurídicos:

  • A área de Societário Desportivo do Zainaghi Advogados de São Paulo.
     

  • A área de Responsabilidade Empresarial do Mandalitti Advogados.
     

  • O China Desk do Machado Meyer.

Mas quais os passos para definir Produtos e combater essa sensação de prateleira vazia? O primeiro é compreender que isso pode impactar os resultados do Escritório no curto prazo. Investir em Gestão de Marketing e na estruturação da área comercial da banca tem muito a ver com aquilo que os Sócios projetam para o futuro e para suas carreiras. O segundo passo é se colocar no lugar do cliente, ter empatia e entender seu processo de compra, quais as dúvidas recorrentes e o que faz o cliente comprar o serviço do Advogado.

Em um mercado onde a concorrência é forte e apenas os Escritórios que se profissionalizam são notados, traçar Produtos e dedicar tempo a clientela são atividades essenciais.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon