A síndrome da prateleira vazia - Parte 2

 No artigo anterior falamos sobre a dificuldade do Advogado em comunicar suas especialidades e a falta absoluta de um marketing mais pragmático e técnico voltado a diferenciação e segmentação. Infelizmente o máximo de descrição que conseguimos obter do Advogado é sempre voltada a sua atuação e áreas do direito. Novamente uma linguagem não compreendida por quem compra. Falta “produto” ai.
Quando dizemos Produto Jurídico estamos nos referindo a  roupagem técnica que damos ao trabalho do Escritório. Um bom produto deve oferecer dados sobre o formato da prestação de serviços, forma de pagamento, sobre diferenciais e sobre a Equipe engajada no atendimento. É muito comum ver nas propostas de serviços advocatícios páginas e mais páginas com descrição de valores e muita verborragia quanto às exceções. Mas pouco espaço é destinado a descrição daquilo que será realizado, como será realizado e porquê será realizado.
Acredito que a estruturação de Produtos é essencial à venda do trabalho do advogado. Temos feito isso em diversos momentos, em escritórios pequenos e também nos grandes. A questão central é que o desenvolvimento de produtos exige um grau de desenvolvimento em marketing que muitos escritórios não possuem. Por isso a sensação de “prateleira vazia”. De que o cliente não encontrou o que procurava.
Será que estamos menosprezando o processo de compra do cliente e investindo pouco ou nenhum tempo ao desenvolvimento de um marketing de resultados?
Sócios e advogados precisam compreender como seu cliente compra. Que tipo de informações, credenciais e dados são necessários. Muitos passam anos sem falar com seus clientes ativos, quanto mais com os prospects. Existe uma distância desnecessária entre os Escritórios e o mercado e isso nada tem a ver com o código de ética. Não é vedado ao advogado conhecer mais sobre seus clientes e interagir com o mercado de forma profissional.
Existem escritórios que conseguiram ultrapassar essa barreira? Abaixo alguns exemplos de Produtos Jurídicos:

  • A área de Societário Desportivo do Zainaghi Advogados de São Paulo.
     

  • A área de Responsabilidade Empresarial do Mandalitti Advogados.
     

  • O China Desk do Machado Meyer.

Mas quais os passos para definir Produtos e combater essa sensação de prateleira vazia? O primeiro é compreender que isso pode impactar os resultados do Escritório no curto prazo. Investir em Gestão de Marketing e na estruturação da área comercial da banca tem muito a ver com aquilo que os Sócios projetam para o futuro e para suas carreiras. O segundo passo é se colocar no lugar do cliente, ter empatia e entender seu processo de compra, quais as dúvidas recorrentes e o que faz o cliente comprar o serviço do Advogado.

Em um mercado onde a concorrência é forte e apenas os Escritórios que se profissionalizam são notados, traçar Produtos e dedicar tempo a clientela são atividades essenciais.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Em Destaque

Comunicação institucional no âmbito das corporações jurídicas

12.06.2020

1/3
Please reload

Recentes

December 19, 2018

August 12, 2018

December 11, 2016

November 18, 2016

November 8, 2016

Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon

DNA Consulting | 2017 | Todos os direitos reservados.

PARANÁ

Rua Capitão Souza Franco, 848 - 9º andar | Bigorrilho

CEP 80730-420

Curitiba, Paraná

Brasil

Tel. 41 3408-4409 WhatsApp Clique aqui 

SANTA CATARINA

Rua Dona Francisca, 364

CEP 89.202-182

Joinville, Santa Catarina

Brasil